RIVER X CAMEP – 50 ANOS DA HISTÓRICA DECISÃO DE 190 MINUTOS

ATLETAS ESGOTADOS BUSCAVAM O TÍTULO NA MAIS LONGA DECISÃO NA HISTÓRIA DO FUTEBOL

Aconteceu no “Joaquinzão”……. Foi em 12 de novembro de 1967, na cidade de Taubaté, em jogo válido pelo Campeonato Amador da cidade.

No início do mês de novembro, o campeonato chegava a sua fase final, onde as tradicionais equipes do RIVER e CAMEP, (hoje extintas), deveriam em dois jogos, decidir o título amador da cidade. 

O calendário estava apertado. A Federação Paulista de Futebol aguardava a indicação do campeão da cidade Taubaté, que jogaria em 15/11 daquele ano, contra o Bandeirante F.C. da vizinha cidade de Tremembé, jogo esse que apontaria o representante da região, no Campeonato Amador do Estado de São Paulo. 

CAMEP 1967 cópia

Formação da equipe do CAMEP momentos antes do inicio da segunda partida no Joaquinzão

River campeão 67

Formação da equipe do River momentos antes do inicio da segunda partida no Joaquinzão

Então vamos aos dois jogos da fatídica decisão:

O primeiro jogo realizado em 05/11/67, um domingo, aconteceu no estádio Municipal “Jacques Félix” (campo da CTI) às 9h30. Resultado 0X0.

O segundo jogo, realizado em 12/11/67, também domingo 09h30 no quase concluído “Joaquim de Morais Filho – Joaquinzão”. Final dos noventa minutos, novo empate 0X0.

O regulamento da Liga Municipal de Futebol de Taubaté previa que: “em caso de empate, haveria prorrogação em dois tempos de 15 minutos”.

O saudoso Benedito de Barros, o Déia, como era carinhosamente conhecido, árbitro da importante decisão, não teve dúvidas, encerrado o tempo regulamentar, chamou os dois capitães e anunciou a necessidade da prorrogação para se conhecer o campeão.

 Bem próximo do meio-dia, Déia aponta o final da prorrogação, mas o placar ainda em branco, 0X0. Então… vamos para mais uma prorrogação de  15X15 minutos.

O tempo passa e a bola insistia em não entrar no gol. Final da segunda prorrogação 0X0.

Opa! Alguém soltou a voz, “Calma vamos consultar o regulamento”,mas lá estava simplesmente “ em caso de empate, prorrogação de 15X15 minutos”.

 Acreditem, houve a terceira prorrogação, que se iniciou por volta das 12h45, e o  placar final ?…… Acertou, 0X0.

 Atletas esgotados, o médico Dr. Djalma Tavares, presente na decisão, se movimenta e, em conversa com os capitães, propõe que o campeão seja conhecido em cobranças de penalidades ou em sorteio, utilizando uma moeda. Alguém grita, NÃO!!!!, o regulamento prevê apenas prorrogação. A torcida também se manifesta, apoiando uma nova prorrogação.

Para não desrespeitar o regulamento e considerando a necessidade, naquele domingo da indicação do representante da cidade que, três dias após, enfrentaria o campeão de Tremembé, não houve outro jeito, as equipes iniciaram o quarto período de prorrogação.

Passava das 13h20, e o torcedor, não arredava o pé do “Joaquinzão”, querendo conhecer o campeão daquela curiosa e inédita decisão.

Com 10 minutos da primeira fase da quarta prorrogação, (por volta das 13:50), eis que surge o tão esperado gol do título. Após brilhante jogada de Niltinho, Honorato balança a rede, RIVER 1X0 CAMEP. Com o gol do título o árbitro Déia encerra decisão mais longa na história do futebol.

Obs: O campeão foi conhecido no método de Morte súbita ou gol de ouro (em inglês golden gol). Era um método utilizado no futebol para decidir o vencedor de partidas eliminatórias que terminam em empate. Consistia em adicionar dois tempos extras de 15 minutos cada após o término do tempo regulamentar de 90 minutos, e dar a vitória à primeira equipe que marcar um gol durante este período, terminando a partida imediatamente após o gol. No caso da decisão entre RIVER E CAMEP é que houve quatro prorrogações para sair o gol de ouro.

Nogale e Perruche foram conduzidos ao hospital, com princípio de insolação.

Um jornal da cidade de Taubaté, ao comentar a decisão, abre a seguinte manchete :  “CRIME NO FUTEBOL” Um pouco de exagero, é claro, mas que essa decisão merecia estar registrada no Livro dos Recordes, ninguém duvida.

 FICHA TÉCNICA DO JOGO:

Final do Campeonato Amador da Cidade de Taubaté

12/11/1967 – Estádio “Joaquim de Morais Filho”

RIVER 0X0 CAMEP – tempo normal

RIVER 1X0 CAMEP – prorrogação

 Equipes:

RIVER: Chiste, Barrinho, Chanclé e Girú; Denizar e Daniel; Edinho, Helinho, Honorato, Niltinho e Marco Aurélio – Técnico: Paulo Bolota – Aux. Técnico: Paulo Paes de Barros.

CAMEP: Nogale, Mane, Bortoloni e Darci;  Maristela  e Lélo; Garrincha, Ladinho, Nardinho, Mário e Perruche – Técnico:Pedro Espanhol – Aux. Técnico: Jurandir Gobo.

 Gol: Honorato aos 10 minutos da quarta prorrogação.

 Árbitro: Benedito de Barros (Déia).

 Encontros anuais

A partir do ano de 2007, quando a histórica decisão completou 30 anos, atletas, dirigentes e simpatizantes passaram a se encontrar no mês de novembro, celebrando o aniversário do evento com churrasco e muita cerveja.

Alguns ex-atletas, já se movimentam para organizar o encontro deste ano que deverá ser realizado mais uma vez no clube da antiga Mecanica Pesada, para comemorar desta vez 50 anos.

Alguns registros dos encontros anuais 

Dezembro de 1987 –  20 anos.

River em Tremembé

Henrique Chiste Neto, goleiro da decisão relembra a partida.

 

Dezembro de 2007 Comemoração dos 40 anos.

 

Dezembro de 2009

 

Dezembro de 2016

 

 

Um comentário sobre “RIVER X CAMEP – 50 ANOS DA HISTÓRICA DECISÃO DE 190 MINUTOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s