HÁ TRINTA E NOVE ANOS, UMA TRAGÉDIA TIRAVA A VIDA DE IVAN

Uma tragédia tirou a vida de Ivan Silva da Cunha, ex-atleta profissional do E. C. Taubaté e Oficial de Justiça.

IMG_2986 (2)

O crime ocorreu na noite do dia 27 de março de 1979 no Jardim Gurilândia, quando Ivan, cumprindo seu dever profissional, foi entregar uma ordem de despejo.

Quanto ao crime, não é minha intenção detalhar.

Somente pretendo registrar um pouco das boas e belas lembranças que a história desse grande craque da bola, defendendo as cores do E. C. Taubaté, nos trouxe.

QUEM FOI IVAN?

A primeira maneira de dizer quem foi Ivan, é transcrever  como a imprensa taubateana e paulista o descrevia. Relatarei aqui algumas, das dezenas de definições que estão registradas em jornais da época.

” Ivan, um Danilo no futebol, um Bauer na  educação, um Brandão nas investidas e um Domingos da Guia na ofensiva”

“O craque de corpo esguio, meio calado”

“Craque disciplinado que bailava em campo”. 

Nascido em  21/12/1930 em São Cristóvão, bairro da zona central do Rio de Janeiro, Ivan começou sua careira futebolística , na equipe juvenil do América FC do Rio, ao lado de Zagalo, outro craque que, como Ivan, sonhava um dia defender uma equipe grande do futebol brasileiro.

COM ZAGALO

Ivan contava que chegou a ser avaliado pelo Fluminense. Jogando no Maracanã, ficava admirando a beleza do estádio. Contava ainda que recebia o uniforme de jogo em cesta de vime. Mas, na verdade, foi jogar profissionalmente na equipe do Royal de Barra do Pirai. Atualmente o Royal não tem mais equipe de  futebol profissional, disputa campeonatos regionais nas categorias de base.

Foto com dedicatoria Giulite Coutinho

Foi jogando pelo Royal que em 1952 Ivan despertou interesse dos dirigentes do E. C. Taubaté. Indicado pelo diretor técnico Francisco de Matos o Chiquito, aqui chegou e ganhou a posição de titular como centro médio. Dono de um futebol clássico e muito  elegante, chamou a atenção dos dirigentes do Santos F. C. que, pouco tempo antes, havia levado Hugo e Zito para a equipe praiana.

Ivan, juntamente com o atacante Otavinho, estiveram na Vila Belmiro para avaliação. Dentre os registros encontrados foi possível confirmar que, em pelo menos dois jogos amistosos, tanto Ivan como Otavinho defenderam a camisa do Santos FC.

Na vitória do Santos FC em cima do Jabaquara 7X1, Ivan entrou durante a partida válida pela Taça Cidade de Santos, em lugar de Nelson. O time preto e branco esteve assim formado: Manga, Cássio, e Feijó; Ronaldo, Nelson (Ivan) e Formiga (Aiala); Nicassio (Otavinho), Valdo, Álvaro, Hugo e Zeca. Gols de Hugo (4), Álvaro (2) e Otavinho.

SE Palmeiras também mostrou interesse pelo “passe” do centro médio. Os que  conviveram com Ivan, contam que grande movimento foi feito na cidade, em protesto pela  saída do jogador para o Parque Antártica, pedido esse respeitado pela Diretoria do Clube. O passe do atleta foi estipulado em 300 mil cruzeiros. Na contra proposta ficou avaliado em 150 mil cruzeiros e mais um jogo amistoso que o  Palmeiras faria em Taubaté com renda total ao Burrão. Além disso, o Palmeiras cederia os jogadores Fraud e Nestor ao Taubaté. Mas a negociação não se concretizou para alegria da torcida taubateana.  Em 1954, por ocasião de um jogo entre E. C. Taubaté e SE Palmeiras, realizado em abril no campo do Bosque, novo interesse da diretoria do Palmeiras que  insistiu em levá-lo por empréstimo para disputar o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, com opção de compra no final do torneio, mas os dirigentes taubateanos não aceitaram.

IVAN CONTRA O SÃO PAULO

DEFENDENDO O E. C. TAUBATÉ

Iniciava-se o campeonato  Paulista da 2ª Divisão de Profissionais. A cidade de Taubaté estava representada por duas fortes equipes, o E. C. Taubaté e o CTI Club. Ivan fez sua estreia no campeonato, na cidade de Indaiatuba, quando em 07/09/52, o E. C. Taubaté enfrentou o E. C. Primavera. Nessa partida, o Taubaté formou com: Jurema, Pelado e Gaguejo; Élcio, Ivan e Mizinho; Otávio, Renato, Osíris, Sansão e Aristeu. Viajaram ainda Oto, Kayser e Estopim. O Diretor Técnico era Francisco de Matos, o Chiquito. Do elenco taubateano ainda faziam parte: Élcio, Gaguejo, Sylvio, Levy, Antoninho Taino, Didico, Osvaldo.

No mês seguinte, a tabela do campeonato marcava o grande “DERBY”, E. C. Taubaté X CTI Club, para o dia 19/10/52 no campo do Bosque (Praça Monsenhor Silva Barros).

Nesse jogo, Ivan além de ser um dos destaques em campo, marcou o terceiro gol taubateano, quando a partida estava empatado 2X2. Ao final, 4X3  para o Esporte” time que ele amava.

DERBY TAUBATÉ E CTI

No jogo seguinte diante do Paulista de Jundiaí no empate em 1X1, também realizado no campo do Bosque, Ivan se contundiu e ficou um longo período em recuperação, retornando somente em janeiro de 1953, no empate em 1X1 contra o Corinthians FC de Santo André. em jogo válido pelo campeonato do ano de 52.

No campeonato de 1953, outra boa temporada de Ivan. A equipe do E. C. Taubaté  chegou na ponta da tabela da 5ª região ao lado do São Caetano. Para definir quem seria o primeiro colocado da região e que iria enfrentar o Paulista de Jundiaí, Taubaté e São Caetano realizaram um jogo extra que aconteceu no Campo do Juventus na Rua Javari, com a vitoria do time do ABC pelo placar de 4X3, resultado esse muito reclamado pelo Taubaté, protestando contra a atuação da arbitragem.

O TÍTULO EM 1954

Foi a partir do campeonato de 1954 que o craque Ivan viveu momentos de maior alegria junto com seus companheiros, Rubão, Zé Américo, Antoninho Taino, Celso e outros. Veio o título  de Campeão da 2ª Divisão de Profissionais e o acesso ao Campeonato Paulista da 1ª Divisão.

Por oito anos, Ivan e seus companheiros, com frequência, pregavam peças nos times chamados grandes da capital. Foi dirigido pelo treinador Aymoré Moreira, e batizado pela imprensa da capital como  “o  gigante do Aimoré”, fazendo parte da inesquecível linha média com Celso, Ivan e Zé Américo.

1955 - Time Taubaté campeão 55 cópia

Uma das vezes que o Taubaté de Ivan castigou um dos grandes foi em 1958, quando o E.C. Taubaté recebeu o Santos FC de Pelé e Pepe e venceu pelo placar de 3X2.

Relembre alguns detalhes dessa importante vitória:

Local:  Estádio da Praça Monsenhor Silva Barros – Campo do Bosque

Data: 05/10/1958

E.C. Taubaté: Rossi; Orlando, Maia, Zé Carlos e Ananias; Celso e Ivã;Tek, Zé Américo, Gato, Mario e Evaldo – Técnico:Aymoré Moreira

Santos FC: Manga; Getúlio, Feijó e Urubatão; Ramiro e Zito; Helio, Jair, Alvaro, Pelé e Pepe – Técnico: Lula

Gols: Zé Américo (27 min/1°T e 6 min/2°T) e Tek (30 min/1°T) – Taubaté; Helio (penalti – 15 min/2° T e 38 min/2° T)

Ivan defendeu, com brilhantismo as cores do E. C. Taubaté por 10 anos consecutivos. Seu primeiro contrato registrado junto à Federação Paulista de Futebol levava o nº 35.458, seu cartão de atleta tinha o nº 864.

Em 1959, Ivan participou da  excursão pelo nordeste brasileiro onde a equipe dirigida por Aymoré Moreira,  visitou quatro estados, o E.C. Taubaté e realizou brilhante campanha. Foram 11 jogos em 22 dias, conquistando sete vitórias, três empates e apenas uma derrota.

Retorno excursão Nordeste

Até o ano de 1962, o torcedor do E. C. Taubaté podia assistir aos jogos no campo do Bosque e ter o privilégio de ver em campo o grande atleta Ivan, jogando profissionalmente. A última apresentação de Ivan no gramado da Praça Monsenhor Silva Barros, foi em 22/10/1967 – domingo – 16h00 na preliminar, quando se enfrentaram os  veteranos e campeões de 1954 e os veteranos da Ferroviária de Pindamonhangaba. Placar 4X0 para o E.C. Taubaté que formou com: Sérgio, Nilson, Rubens, Celso e Máximo; Zé Américo, Ivan, Silvio e Durval, Bertho e Renatinho. O jogo principal, marcou a última partida oficial do E. C. Taubaté no campo do Bosque, quando pelo campeonato paulista recebeu e venceu o XV de Jaú, 5X2.

Registramos em seguida  algumas inesquecíveis escalações do E. C. Taubaté, que contavam com o grande centro médio.

1954: Sérgio Floriano), Rubens e Porunga; Can-Can (Ananias), Zé Américo e Ivan; Alcino, Antoninho Taino, Berto, Benedito e Minelli – técnico Joaquim Loureiro.

1955: Sergio, Rubens e Ananias (Porunga); Arati, Manduco e Ivan; Alessio, Manteiga, Berto, Taino e Benedito

1956: Sergio, Rubens e Porunga; Arati, Pé de Valsa e Ivan; Silvio, Tek, Durval, Taino e Alcino

1957: Bonelli, Orlando Maia e Rubens; Ivan, Celso e Porunga; Alcino, Tee, Augusto, Mario e Evaldo.

1958: Rossi (Ivan I), Rubens e Ananias; Orlando Maia, Celso e Ivan; Gardel, Tek, Gato, Mario e Evaldo

1959: Rossi; Orlando Maia e Mexicano; Gardel, Ivan e Ze Carlos; Renatinho, Berto, Valter Prado, Taino e Evaldo.

1960: Henrique; Orlando Maia, Mexicano e Helio; Augusto (Ze America) e Celso; Evaldo, Amauri, Paulinho, Ivan e Cacalo, ou Rossi, Orlando Maia, Mexicano e Zé Carlos; Zé Américo e Celso; Antoninho Taino, Manteiga (Teck), Stefano, Ivan e Walter Prado ou Rossi, Gardel, Mexicano e Hélio; Zé Américo e Ivan; Anacleto, Amauri, Paulinho, Mário e Evaldo do técnico Aymoré Moreira, ou ainda Henrique, Gardel (Zé Augusto), Mexicano e Wilson Cruz; Ivan, Celso e Zé Américo; Noca, Sabará, Miro e Cacalo.

1961: Henrique; Gardel, Mexicano e Wilson Cruz; Ivan e Celso; ZéAmérico, Bauru (Helio), Sabara, Mario e Darci ou Henrique; Augusto, Mexicano e Hélio; Zé Américo e Celso; Gardel, Wilson Bauru, Sabara, Ivan e Cacalo.

1962: Henrique; Celso, Martin e Helio; Mexicano e Ivan; Silvio, Jovan, Fescina, Claudio e Fernando, ou Henrique; Cruz, Martin e Helio; Mexicano e Zé Americo; Almir, Capelozza, Celso, Ivan e Machadinho, ou inda  Adalberto; Gardel, Martin e Helio; Zé Americo e Roberto; Silvio, Sabará, Diango, Ivan  e Ivan II.

Depois de encerrar sua carreira como atleta profissional, Ivan, cursou o maduresa em 1970 no Colégio Olegário de Barros em Taubaté. e no ano seguinte frequentou o curso de Direito na Faculdade de Direito também nesta cidade,mas não chegou a concluir o curso. Passou a trabalhar no Fórum da cidade onde exerceu a função de Oficial de Justiça.

Nunca se afastou da bola de futebol. Ivan jogou em alguns times amadores da cidade, como o Nova América, o Farrapos, etc.

NOVA AMERICA LEGENDADO

Casado com Therezinha Thaumaturgo Sene Cunha, com quem teve um filho, Eduardo  Sene Cunha. Ivan teve mais dois filhos de um outro relacionamento, Rodrigo e Renata.

HOMENAGENS

Muitas foram as homenagens prestadas a esse grande profissional. Sepultado na Necrópole Venerável Ordem Terceira, na presença de centenas de taubateanos admiradores. A urna estava coberta com a bandeira Alvi-azul. Padre Pedro Lopes representando a igreja católica, procedeu a oração, o E. C. Taubaté esteve representado por inúmeros torcedores, dirigentes e conselheiros.  Homenagens póstuma foram prestadas pelo Dr. Ameleto Marino conselheiro do clube, pelo Presidente do Conselheiro Deliberativo, Dr.João Bento Vaz de Campos e pelo Presidente da Diretoria Executiva,  Dr. Benedito Elias de Souza, o Lolito.

 

JOAQUINZÃO EM SILÊNCIO

Dois dias após sua morte, o E. C. Taubaté entrava em campo, para realizar um amistoso contra a Portuguesa Desportos, em uma noite cercada de tristeza e saudade.  Na época, era comum os atletas entrar em campo, correndo. Nessa noite, jogadores do E. C. Taubaté e da Portuguesa Desportos e também o trio de arbitragem, entraram em campo em fila, caminhando lentamente até o meio de campo, formando um círculo. Durante quase cinco minutos, houve silêncio  no Estádio Joaquim de Morais Filho finalizando a homenagem com uma salva de três tiros. Registraram presença nessa noite no estádio,  para prestar homenagem ao velho companheiro, os ex atletas,  Rubão, Zé Américo, Celso e Antoninho Taino que jogaram juntos na equipe taubateana. Nessa homenagem houve uma  grande participação da torcida “Camisa 14”. Coincidência ou não, na temporada de 1979, o E. C. Taubaté, que já havia realizado nove amistosos, seis empates e três derrotas, nessa noite de homenagem, conquistou a primeira vitória, vencendo a Portuguesa Desportos, 3X1. Nesse mesmo ano de 1979, o Burrão conquistou o título da Divisão Intermediária, retornando à divisão maior do futebol do estado de São Paulo, voltando a jogar com os times grandes, os mesmo que por muitas vezes, foram surpreendidos pelo E. C. Taubaté e grandes atuações de Ivan.

Fica uma pequena homenagem ao grande  ser humano Ivan que, apesar de ter deixado este mundo há trinta e nove anos,  é lembrado com frequência quando o assunto é E. C. Taubaté.

4 comentários sobre “HÁ TRINTA E NOVE ANOS, UMA TRAGÉDIA TIRAVA A VIDA DE IVAN

  1. Atualmente moro em Curitiba, mas minha infância e adolescência passei em Taubaté, assisti muitos jogos no “Campo do Bosque”, aprendi admirar o futebol apresentado pelo IVAN era de uma classe insuperável. Que Deus o tenha!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s